A restauração do contrabaixo
de Marc Johnson

 

Uma das melhores coisas em minha vida profissional foi ver, com o passar dos anos, pessoas que eu admirava como contrabaixistas e comprava LPs se transformar em meus amigos e clientes.

Grandes nomes do contrabaixo, tanto no jazz como na música clássica, que eu sempre procurei escutar e assistir ao vivo hoje visitam minha casa, encomendam a construção de instrumentos e trazem seus baixos para serem restaurados aqui.

Outros se aproveitam de nosso trabalho em Nova York (veja página neste site) e já existe uma fila de instrumentos aguardando nossa volta para serem restaurados.

Entre os contrabaixistas mais técnicos e criativos do jazz mundial está nosso amigo Marc Johnson. Acho que todos os baixistas que lerem esta página sabem de quem se trata. Para quem não sabe basta dizer que ele foi um dos baixistas do pianista Bill Evans em várias gravações e concertos.

Marc é um amigo de longa data e sempre que vem ao Brasil usa um de nossos instrumentos.
Com uma carreira marcada por seu bom gosto e refinamento musical, Marc sempre trabalhou com os maiores músicos de seu tempo e é conhecido por seu cuidado com a sonoridade do contrabaixo.

No final de 2005, Marc trouxe este contrabaixo francês, um Jacques do século 19, para ser restaurado e ter sua capacidade acústica ampliada em nosso Atelier em São Paulo.

Essa foi uma restauração complexa e demorada e algumas fases são mostradas aqui.

Essa era a situação do contrabaixo assim que foi aberto.
Instrumentos antigos como este quase sempre tem muitas restaurações. Algumas bem feitas e outras nem tanto.
Sem comentários.
Danos causados por más restaurações e por cupins.
Re-graduação do tampo, já restaurado, de acordo com a espessura e a sonoridade do tap tone (veja página sobre o Laboratório de Acústica).
Detalhe da marca do autor e uma etiqueta de restauração feita no século 19.
À direita, as faixas antes de serem travadas durante a passagem do tampo e do fundo pelos aparelhos de medição acústica.
O corpo já pronto sendo fechado e o braço colado com sua posição corrigida.

Marc estava pensando em vender este instrumento pois nunca foi feliz com a sonoridade e com as medidas do braço que deixavam as notas em posições erradas no espelho.
Pela cara dele experimentando o baixo no estúdio do Atelier se pode ver que ele desistiu da idéia de vender o instrumento.
Quando veio pegar o contrabaixo Marc pode ver as fotos feitas durante a restauração e os resultados das analises acústicas e das melhorias no resultado de sustain, amplitude, equilibrio entre outros.
Essa relação de amizade e confiança e as centenas de conversas com grandes músicos formam a base de meu conhecimento junto com a técnica que aprendi com Enzo Bertelli e desenvolvi durante as três últimas décadas.
Vender esse baixo ? Eu ?
Com uma sonoridade maravilhosa com o arco, Marc nos brindou
com música de qualidade, ao vivo, no Atelier.
Ele realmente ficou muito contente e empolgado com o "novo" instrumento.
A troca de experiências e conhecimentos sempre é engrandecedora, pois ambos aprendem. Nós tocamos e escutamos e trocamos sensações e opiniões sobre coisas abstratas para serem compreendidas por quem não é músico e não possui experiência.
Tocar o instrumento é fundamental para um lutier que pretenda atingir um alto nível em sua profissão.
Enquanto eu tocava e nós conversávamos ele pode sentir o som
do baixo sendo tocado em várias distâncias diferentes.
Marc fez muitos elogios e gostou bastante do trabalho o que nos deixa extremamente orgulhosos.
Marc Johnson explorando e nos brindando com sua arte.

 

VOLTAR