Esteja atento para não
deixar que curiosos
destruam as características
de seu contrabaixo

 

Cuidado, não deixe que curiosos o enganem
e tentem transformar seu instrumento.



   Como um lutier que atua exclusivamente com contrabaixos desde 1980, tenho visto muitas bobagens serem cometidas contra esse belo instrumento. Quase sempre esses "trabalhos" mal feitos são executados por curiosos completos, por pessoas que nunca tiveram noção séria de lutheria; mas tem aparecido pessoas que, após um curso relâmpago de algumas semanas com algum lutier, se consideram também lutiers e chegam mesmo a pretender formar associações de lutiers, mesmo que continuem tentando aprender nos instrumentos de outras pessoas.

   Que alguém queira comprar algum material e tentar construir algo de qualidade mínima não existe o menor problema, e se essa pessoa consegue encontrar quem compre esse instrumento é bom para ela. O problema começa quando esse que não tem sólida formação vende instrumentos montados à partir de kits comprados como sendo construídos por suas mãos. Isso é enganar. Eu mesmo já deixei de vencer concorrências para construção de instrumentos para orquestras para esse tipo de "montadores" que vendem por um preço muito abaixo do de um instrumento de qualidade e feito da maneira correta e com técnica.

   Isso ainda não é um problema tão grande pois quem compra é que deve saber o que está comprando e se alguém oferece algo por um preço muito mais baixo do que vale no mercado é bom desconfiar de algo. (veja nesse site o artigo: "Saiba como não ser enganado pela falta de ética na hora de comprar um instrumento.")

   O que mais me assusta é ver esse tipo de "remendões" destruindo instrumentos, (como pode ser visto em outros artigos nesse site e em especial no: "Saiba como evitar cair no conto da troca de verniz.") e passando-se por conhecedores e especialistas, enganando quem não tem base ou formação suficiente para detectar esse tipo de procedimento errado.


   Sei que ainda vou ver muitos absurdos ainda e que não relato nem um quinto do que aparece por aqui, mas o motivo desse artigo é algo que me afeta particularmente pois eu sou um construtor de instrumentos: Pessoas que não tem respeito pela lutheria e pelo trabalho de lutiers de verdade e que tentam modificar as características dos instrumentos construídos por lutiers modificando suas proporções.

   Quando um instrumento é construído por um lutier, é uma obra de arte, é uma parte do artesão que está lá e deve permanecer assim para o futuro. Nenhum pintor ou restaurador jamais pensou em pegar uma obra de Michelângelo, por exemplo, e modificar a proporção de determinada parte da obra ou modificar a tonalidade azulada de um Picasso, em sua fase azul, para que combinasse melhor com sua sala verde! Então por que alguém que se diz lutier faz um absurdo desses num contrabaixo?? Por que modificar o tamanho de um instrumento que foi feito para durar vários séculos apenas por que um dono em particular não consegue se adaptar ao instrumento?

   Veja nessa foto o absurdo que está sendo feito em um contrabaixo que tem até uma madeira bonita:

 

   Trata-se de um fundo de contrabaixo construído em 2 partes e que está sendo cortado para tentar fazer o instrumento ficar menor do que foi feito originalmente. Qualquer restaurador sabe que o ideal é SEMPRE manter ao máximo a originalidade da peça a ser trabalhada e nunca querer dar sua própria interpretação do que deveria ser a obra de outra pessoa.

   Existiram pessoas no passado, alguns músicos que se pretenderam lutiers apenas por terem passado a vida executando um instrumento, que recomendavam isso a seus alunos e, ao que parece, ainda existe esse tipo de pessoa sem respeito. O que esse músico faria se, caso fosse um compositor, algum dia escutasse uma de suas obras tocadas por uma orquestra com um movimento inteiro faltando e um outro totalmente estranho à sua composição sendo tocado no lugar daquele? E com seu nome como sendo o autor da peça que só ele saberia que foi mutilada!?!


   O mais estranho é a falta de caráter e até de pudor em realizar isso e ainda divulgar: Esta foto foi retirada de um site da internet onde esse absurdo é mostrado como sendo algo que merece algum mérito. Isso demonstra a total falta de orientação por parte desse "profissional" e de uma formação sólida onde seriam aprendidos os princípios mínimos de respeito pela profissão e pela obra de outros autores, a necessidade de se manter a originalidade das peças restauradas, e outras coisas que somente uma vivência e uma convivência com um mestre de verdade dão a quem com ele aprende.

   É claro que absurdo parecido foi feito no tampo do instrumento e, nesse caso específico, as duas faixas superiores também foram trocadas por novas, ou recortadas, diminuindo ainda mais a originalidade da peça (um profissional competente faria uso das mesmas faixas pois teria a técnica suficiente para isso, mas, na verdade, ele nunca iria realizar esse "trabalho").

   Quando um lutier constrói um baixo, ele calcula as proporções que quer dar ao instrumento, a posição da oitava, dos Fs, da nota base e outras coisas. É claro que quem faz esse tipo de "remendo" nunca escutou falar no cálculo para a posição dos Fs e nunca chegou a tocar algumas frases num contrabaixo. Para se ter uma idéia do que estou falando, trata-se do mesmo "expert" que colocou um prego no espelho do instrumento de um músico francês que vive aqui e que, por não saber calcular o ângulo do trabalho, deixou o prego exposto e raspado de maneira ridícula.

   Mesmo que o objetivo não tenha sido apenas o de ganho de dinheiro fácil e que tal procedimento tenha sido especificamente requisitado pelo proprietário do instrumento, a obrigação de um lutier sério seria orientar o cliente para que ele adquirisse um instrumento menor e que esse instrumento fosse vendido para alguém com tamanho suficiente para usá-lo. Muitos clientes me pediram para retirar um verniz antigo de seu instrumento ou fazer "trabalhos" semelhantes a esse descrito aqui e eu me recusei e, agindo assim, ganhei ainda mais respeito dessas pessoas e elas sempre confiam em minhas orientações.

   Pelo tanto de madeira que está sendo retirada do instrumento se pode imaginar onde foi parar a oitava desse baixo. Para quem não aprendeu a respeitar o trabalho dos outros isso não importa. É como aquele que coloca sua própria etiqueta ou escreve dentro de instrumentos que restaura. Vale o imediatismo e o lucro.


    Um instrumento é parte de seu autor. Tente respeitar isso e não deixe que curiosos não respeitem o trabalho sério e as obras de arte.
    Caso alguém não habilitado (alguém que não é lutier, que não teve um mestre, que resolveu de repente que era lutier) se ofereça para modificar o tamanho de seu instrumento ou algo assim mirabolante, leve seu baixo a um lutier de verdade apenas para que ele lhe oriente sobre a necessidade ou não de se realizar tal serviço e as opções de procedimento corretas.

    É obrigação do lutier orientar e falar a verdade para seus clientes ou para quem o procura em busca de orientação técnica, profissional e responsável.


   Procure em sua cidade pelos melhores lutiers, saiba com quem estudaram e por quanto tempo, saiba quem usa seus instrumentos, quem são seus clientes, vá conhecer os ateliers dos profissionais, converse com eles e confie nos que estão aptos para lhe ajudar.
    Se em sua cidade não existir alguém competente leve seu instrumento a um especialista em outro local mas não caia nas mãos de curiosos.

    Um abraço e olho vivo
 

                        Paulo Gomes

 

 

VOLTAR