Contrabaixo
para crianças

 

A maior parte dos grandes músicos iniciou seus estudos antes da adolescência.

Alguns, casos mais raros, chegaram ao primeiro contato com seus instrumentos aos cinco, quatro e até três anos de idade, de forma que, ao atingirem a maioridade e o profissionalismo, tais músicos já contavam com dez anos ou mais de estudos específicos no instrumento.

Isso lhes valeu aprimoramento técnico e artístico para atuarem em concertos ou ingressarem em orquestras sinfônicas, de câmara, bandas sinfônicas ou ainda como solistas de nível internacional.

 

Nos instrumentos de grande porte, o estudo só é possível quando o jovem já tem idade e tamanho suficientes para iniciar o aprendizado prático.

Esse é o caso do contrabaixo e a razão da criação desse modelo para crianças.

O problema do contrabaixo é bem fácil de ser observado, sobretudo nas orquestras jovens onde podemos ver crianças com sete ou oito anos (e até muito menos) tocando violino, flauta ou outros instrumentos enquanto que os contrabaixistas têm no mínimo dezesseis ou dezessete anos, ou seja: dez anos a mais.

Para que um instrumento feito para iniciantes e crianças fosse viável todo o material, excluindo as cordas, é nacional.

 

Apesar de ser mais simples em sua construção, o instrumento é todo escavado à mão e não tem nenhuma parte feita em madeira compensada.
As proporções de suas medidas foram calculadas visando um desenvolvimento normal da técnica de contrabaixo, com afinação e tensão das cordas correspondentes às do instrumento ¾ ou do inteiro, de modo que a passagem para um instrumento maior é a mais natural possível.

 

A inexistência desse tipo de instrumento faz com que haja interesse e necessidade por parte dos educadores da área musical.

No Brasil temos um grande número de orquestras jovens e conjuntos de câmara mantidos por particulares e pelos governos onde esse pequeno contrabaixo é uma necessidade visível.

Também mantidos por governos e particulares temos centenas de conservatórios espalhados pelo país além dos profissionais de orquestra e de música popular que se dedicam a dar aulas particulares e podem iniciar crianças menores.

O contrabaixo para crianças evita que os jovens contrabaixistas iniciem seus estudos no violoncelo, o que significa uma técnica totalmente diferente.

 

O garoto nas fotos é meu sobrinho Renato Burin aos 9 anos.

 

 

VOLTAR